• juliana9986

Cartilha detalha ataques do governo e motivos para a defesa do Banco do Brasil

Publicação foi lançada durante lançamento da campanha de ‘Articulação Nacional contra o Desmonte do BB’


A campanha em defesa do Banco do Brasil ganhou na sexta-feira (12) uma importante ferramenta capaz de mostrar a importância do banco e, consequentemente, os motivos pelos quais ele deve ser defendido por toda a sociedade. Uma cartilha que detalha “o que querem fazer com o Banco do Brasil” e os transtornos que este “plano” pode causar à sociedade e “por que devemos lutar pelo Banco do Brasil”. “O governo Bolsonaro, por meio da diretoria que ele indicou para tocar o banco, está fechando agências e demitindo 5.000 funcionários. Além de aumentar o contingente de pessoas sem trabalho, há também o fechamento de agências, que obriga os clientes a ter que fazer grandes deslocamentos para encontrar uma agência bancária. O resultado é o aumento do tempo de espera nas filas, sobrecarga de trabalho para os funcionários e aglomerações nas agências. Tudo isso, em um momento em que a pandemia está ascensão, com muitas cidades e estados inteiros entrando na fase roxa”, disse o coordenador da Comissão de Empresa de Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga. Digitalização O Banco do Brasil utiliza o argumento do aumento da digitalização para justificar a redução do quadro de funcionários e o fechamento de agências. “Este argumento é falso. A grande maioria dos brasileiros não tem acesso às ferramentas digitais. Vimos isso durante a pandemia, com milhões de pessoas se aglomerando nas filas para receberem, presencialmente, o auxílio emergencial, sem que isso fosse possível, pois o governo implantou um sistema de cadastro apenas por meios digitais”, lembrou o presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília, Kleytton Morais, um dos idealizadores da cartilha. “Ainda mais no caso do Banco do Brasil, que oferece serviços em muitas cidades afastadas dos grandes centros urbanos e econômicos do país”, ressaltou o dirigente ao lembrar da capilaridade do Banco do Banco do Brasil. Dos 5.570 municípios brasileiros, apenas 3.256 possuem agências bancárias. Em 990 deles, só tem agência do BB ou de outro banco público. “O fechamento de agências do BB pode deixar mais municípios sem agências”, observou. Crédito Além de promover a descentralização dos serviços bancários, o Banco do Brasil também é responsável pela oferta de crédito para todo o país. “Os bancos privados concentram sua atuação na região Sudeste do país, predominantemente, em São Paulo. É o Banco do Brasil o responsável pela oferta de crédito nas outras regiões do país”, informou o coordenador da CEBB. O banco do Brasil é o principal executor do Plano Safra, do Ministério da Agricultura, responsável por 93,4% do financiamento rural na região Norte; 79,2% no Nordeste; 78,2% no Centro-Oeste; 60,8% no Sudeste; e 58,9% no Sul. “Graças ao Banco do Brasil o agronegócio brasileiro está entre os maiores produtores mundiais de soja, suco de laranja, café entre outros produtos e responde por 80% do montante destinado à agricultura familiar, um segmento que pouco interessa aos bancos privados, mas que é o responsável por colocar alimentos na mesa dos brasileiros”, destacou o presidente do Seeb/Brasília. “Caso o Banco do Brasil seja privatizado, os alimentos vão ficar ainda mais caros do que já estão”, concluiu. Cartilha Todas estas informações estão disponíveis na cartilha da campanha de Articulação Nacional contra o Desmonte do BB. “São informações que todos que defendem o Banco do Brasil devem ter na ponta da língua. Esta cartilha é um instrumento que vamos colocar embaixo dos braços para carregar nas visitas que faremos aos parlamentares, prefeitos, empresários e todos os segmentos que já estão sendo muito afetados com os ataques que o Banco do Brasil vem sofrendo ao longo dos últimos anos e que poderão ser ainda mais caso o banco seja privatizado”, explicou o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil, João Fukunaga. “O objetivo é juntar diversos segmentos da sociedade, lideranças políticas, comerciantes, produtores rurais, industriais e de todo o setor produtivo, com envolvimento da categoria e trabalhadores das demais estatais em defesa do Banco do Brasil, mostrando sua importância e necessidade para o país”, explicou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), Juvandia Moreira.


Contraf



0 comentário