Se deseja parar de trabalhar para viver disso, pense duas vezes


Cansados da rotina estressante, baixa remuneração e menor perspectiva, quatro vezes mais brasileiros procuraram, nos últimos anos, por uma alternativa que se apresenta com grande potencial de retorno e que exige pouco esforço. O objetivo desta procura foi constatado e estudado pelos pesquisadores Bruno Giovannetti e Fernando Chague.

O avanço da tecnologia popularizou o investimento em bolsa de valores, mas ao mesmo tempo, o vulgarizou.

Vídeos nas mídias online apresentam a possibilidade de, com alguns minutos de trabalho no dia, ganhar milhares de Reais e multiplicar o patrimônio realizando uma atividade que não requer conhecimento prévio. Esta atividade é chamada de day trade.

Falando, parece muito simples. Basta que o investidor compre um ativo por um determinado preço e o venda minutos depois por um maior valor, auferindo um ganho financeiro. Também é possível fazer a operação ao contrário, ou seja, primeiro se vende e depois se compra, por um valor menor.

Até cinco dias atrás ninguém nunca tinha divulgado, no Brasil, um estudo que comprovasse se realmente as pessoas ganhavam dinheiro realizando day trade. Logo, se muitos diziam que era possível, seria difícil contestar.

Chague e Giovannetti conseguiram acesso a dados exclusivos e confidenciais da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) de todas as pessoas físicas que realizaram day trade entre 2012 e 2017. Os dados foram cedidos pela própria CVM sem identificação de quem eram as pessoas.

Os resultados deste estudo estão em artigo publicado no site dos autores e disponível no link. O que eles encontraram é um banho de água fria no sonho de milhares de pessoas.

Das quase 20.000 pessoas que iniciaram as operações em 2013, mais de 90% perderam dinheiro. Acumulando perdas, mais de 92% dos investidores desistiram em menos de um ano.

Você talvez imagine que se tivessem persistido, teriam aprendido e revertido as perdas. Esse é justamente o discurso nos vídeos que mencionei acima. Entretanto, não foi o que os pesquisadores encontraram na realidade.

Dentre os resilientes, que continuaram tentando por mais de um ano, quase 90% tiveram prejuízos. Mas as surpresas não param por aqui.

Outro resultado que choca os leitores foi quanto à capacidade de aprimorar com o tempo.

Seria de se esperar que as pessoas aprendessem com os erros e elevassem os ganhos com o treino. Entretanto, não foi o que eles encontraram. Ao contrário do que se imagina, os números mostram que, com o tempo, a mesma pessoa foi tendo menos sucesso. Ou seja, se teve lucro na primeira operação, fecha a conta, pois esse seria o seu melhor resultado.

Conforme explicam Chague e Giovannetti, o número de pessoas que perdem dinheiro seria até maior se fossem consideradas as taxas de corretagem, custos de plataforma de operações e de treinamento.

Segundo o artigo, a perda média dos investidores nos primeiros 250 dias realizando day trade é de quase R$ 10 mil e a probabilidade de uma pessoa ganhar mais de R$300 por dia, depois de um ano, é próxima de 0,10%. Se conseguisse ganhar esse montante, diariamente, pelos 55 anos seguintes, o que parece improvável, acumularia R$ 4,2 milhões.

Se optar por em vez de perder o valor acima ao longo de um ano, jogar na Dupla Sena da Caixa Econômica, suas chances não são tão menores de ganhar o mesmo valor e se tornar milionário já na próxima semana.

Assim, cuidado com falsas promessas de ganhos rápidos e fáceis que são publicadas na internet. Na maioria das vezes, aquele que mais ganha com day trade são aqueles que vendem cursos, livros e plataformas.

Você talvez se pergunte se as pessoas físicas teriam prejuízos apenas em operações de day trade. Aguarde, em um próximo artigo vou comentar os estudos com as famosas operações de swing trade.

Michael Viriato é professor de finanças do Insper e sócio fundador da Casa do Investidor

#sindnews

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo