Trabalho de convencimento a parlamentares contra o PLS 555/15 permanece no Senado


O trabalho de convencimento das entidades que integram o Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas para com os parlamentares permanece, nesta quarta-feira (2), no Senado Federal, de modo a se posicionarem contra o PLS 555/15. Dia 1 de março foi realizado um ato contra o projeto na Comissão de Direitos Humanos e, posteriormente, os trabalhadores se dividiram para conversar com mais parlamentares, na tentativa de convencê-los sobre os efeitos nocivos da proposta para o país e os brasileiros. Conforme levantamento de ontem durante a mobilização dos trabalhadores envolvidos na defesa das empresas públicas foi possível um mapeamento quanto às adesões à proposta do comitê. “Temos a adesão de pouco mais de 30 senadores, de um total de 81, e precisamos de mais para barrar o PLS 555, que pode ser votado até quarta-feira”, explica a coordenadora do Comitê, Maria Rita Serrano, que também é representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa Econômica Federal e dirigente do Sindicato dos Bancários do ABC. Entre os que já manifestaram sua oposição ao projeto estão parlamentares do PT, PCdoB, Rede, PDT, PMB e PMDB - nesse último, o senador Roberto Requião (PR). O presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira, que participou das atividades no Senado, lembra que o papel social da Caixa está seriamente ameaçado. “A proposta tem o DNA tucano, que defende o Estado Mínimo. A política das privatizações, que combatemos em um passado não muito distante e que não interessa à sociedade brasileira, está à espreita. Não podemos permitir esse retrocesso. Por isso, nossa mobilização é cada dia mais importante”, afirma. Ainda segundo Rita Serrano, há informações de que um acordo estaria sendo tentado pelo governo, mas nada de concreto foi divulgado até o momento. “Há muitos itens problemáticos no PLS 555/2015, e são questões graves, como a constituição acionária, abertura de capital, entre outros. A luta continua nesta quarta-feira, a partir das 10h”, destaca. Tentativa de barrar trabalhadores A terça-feira começou com mudanças “estratégicas” logo cedo no Senado. O ato contra o PLS 555, previsto para acontecer às 10h no auditório Petrônio Portela, acabou transferido para o da Comissão de Direitos Humanos, já que a entrada dos participantes não foi permitida no local agendado. Com isso, o senador Paulo Paim (PT-RS), que preside o colegiado, interveio para que a atividade pudesse ocorrer. Durante a manhã, integrantes de seis centrais sindicais e de dezenas de entidades que representam várias categorias na defesa das empresas públicas brasileiras falaram sobre os riscos do projeto privatista, ao lado de senadores e deputados estaduais que apoiam o movimento. Entre os parlamentares presentes no ato, além de Paim, estavam os senadores Lindberg Farias (PT-RJ), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Fátima Bezerra (PT-RN), Regina Sousa (PT-PI) e Hélio José (PMB-DF) e a deputada federal Erika Kokay (PT-DF).

Mais informações podem ser encontradas no site www.diganaoaopls555.com.br.

Fonte: FENAE

#3 #caixafederal

Seguir:

Endereço

Telefone

(15) 3229.2990

Sugestões, dúvidas ou reclamações?

Preencha o formulário abaixo