• juliana9986

Lucro do Bradesco tem alta de 74% no 1º trimestre e atinge R$ 6,5 bilhões

Para presidente da instituição financeira, resultados mostram que ‘bancos estão preparados para enfrentar o cenário desafiador da pandemia’; resultado

veio em linha com as projeções


O banco Bradesco registrou lucro líquido recorrente de R$ 6,51 bilhões no primeiro trimestre do ano, uma alta de 74% em relação ao mesmo período do ano

passado. De acordo com o presidente do banco, Octavio de Lazari Jr., os resultados indicam que as incertezas do cenário econômico brasileiro estão se

arrefecendo. “Estamos trocando as dúvidas sombrias por uma narrativa virtuosa”, afirmou o executivo, em comunicado divulgado pela instituição financeira. “Em termos

objetivos, os bancos estão preparados para enfrentar o cenário desafiador da pandemia. E os resultados alcançados neste início de ano indicam isso.”


Itaú Unibanco tem alta de 63,6% no lucro no 1º trimestre, para R$ 6,4 bilhões

O executivo também destacou que a recuperação da economia está intimamente ligada à aceleração da vacinação contra a covid-19. Isso, segundo ele, poderá

ajudar a encerrar o ciclo de “abre e fecha” da economia. “Estamos chegando aos 20% da população vacinada em primeira dose, no ritmo possível. Isso pode ser

intensificado. A mudança da velocidade da vacinação é a peça-chave para a construção mais rápida de um cenário positivo”, disse o executivo.


No que se refere ao cenário de competitivo, especialmente com a emergência das fintechs, Lazari afirmou que o Bradesco está bem posicionado, graças ao banco

digital Next. O Pix e o open banking são outras variantes desse novo momento, de acordo com o presidente do banco. “São instrumentos orientados

pelo Banco Central e precisam ser valorizados pelos seus aspectos de dar agilidade e eficiência no atendimento ao cliente. São propostas que recebem

nosso apoio e adesão, obviamente”, frisou.


Em linha com as previsões

O lucro líquido recorrente do Bradesco de janeiro a março ficou em linha com as projeções do mercado. A média esperada conforme cinco casas consultadas pelo

Prévias Broadcast – Bank of America (BofA), JP Morgan, Goldman Sachs, Eleven Financial e Itaú BBA – era de R$ 6,3 bilhões. O resultado em

linha com as perspectivas é assim considerado quando a variação para mais ou para menos é de até 5%.


No que se refere ao crédito, o Bradesco viu sua carteira expandida avançou 2,6% nos três primeiros meses deste ano e alcançou R$ 705,2 bilhões, saldo 7,6%

superior ao verificado no fim de março de 2020.


A despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa, mais conhecidas pela sigla PDD, cederam 14,5% na comparação com o período imediatamente

anterior e ficaram em R$ 3,9 bilhões, 41,8% menores que no primeiro trimestre do ano passado.


O estoque de provisões, no entanto, chegou a R$ 46 bilhões, uma alta de 11,3% sobre o resultado pouco acima de R$ 40 bilhões registrado há um ano.

Os últimos 12 meses foram de ajustes na operação do Bradesco, de acordo com o balanço divulgado nesta terça-feira, 4. Nos últimos 12 meses, o banco fechou

1.088 agências e demitiu 8.547 funcionários. Apenas nos primeiros três meses de 2021, foram encerrados 83 pontos de atendimento e fechados 888 postos de

trabalho.


Perspectivas

O Bradesco manteve inalteradas as projeções de desempenho para 2021, os chamados guidances, divulgadas no início deste ano. O banco espera que sua

carteira de crédito cresça de 9% a 13% neste ano. No primeiro trimestre, os empréstimos tiveram incremento de 7,6%.

O banco espera ainda que sua receita de prestação de serviços tenha aumento de 1% a 5% neste ano ante 2020. No primeiro trimestre, esse ganho, porém,

encolheu 2,6%.


Do lado das despesas, o Bradesco promete seguir com austeridade no corte de custos e vê a possibilidade de seus gastos operacionais se reduzirem até 5%, no

melhor cenário. No mínimo, devem cair 1%. De janeiro a março, a redução foi de 4,7%.


FEEB SP/MS

0 comentário