• Bancários Sorocaba

ASSEMBLÉIA BV FINANCEIRA S/A BANCO VOTORANTIM S/A - PARTICIPE!



ATENÇÃO: A assembléia será dia 8 de maio. A indicação é pela aprovação.

O acordo tem como base as Medidas Provisórias (MP) 927 e 936, editadas pelo governo federal após a decretação do estado de calamidade pública no dia 20 de março deste ano. A aplicação pura e simples das MPs resultaria, por exemplo, em redução salarial de até 70% ou suspensão do contrato de trabalho. O acordo negociado entre o movimento sindical e o Comando Nacional dos Bancários busca a garantias como emprego, salário líquido e abono, de modo que contemple todos os funcionários.

PROPOSTA DO GRUPO BV – FINANCEIRA E BANCO, COVID-19

O grupo BV propõe aplicar a MP 927 e MP 936.

*Redução Salarial e Redução de Jornada de apenas 25%:

-abrange todos os funcionários

-o empregado deixará de trabalhar 5 dias por mês

-prazo de 60 dias

-fará jus ao Benefício Emergencial da União (seguro desemprego)

-complemento salarial por Ajuda Compensatório (abono) de valor igual ao necessário para

manter o mesmo valor líquido do salário mensal

-concederá estabilidade durante o período da redução e por igual período após o

restabelecimento da jornada e salário

*Banco de Horas:

-institui o banco de horas apenas durante o período da calamidade

-banco de horas positivas e negativas

-prazo de 18 meses para pagamento das horas negativas

-pagamento com prorrogação de jornada de no máximo 2 horas por dia.

-em caso de demissão sem justa causa, o saldo negativo não será descontado.

-opção de utilizar 10 dias de férias para pagamento do saldo de horas, a pedido do empregado

MINUTA ACT BV - FEEB 2020

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - COVID 19

Nos termos do artigo 7º, inciso XIII da Constituição Federal, observadas as normas e disposições dos artigos 611 e seguintes da Consolidação das Leis do Trabalho, as partes, de um lado, BV FINANCEIRA S/A – CFI, inscrito no CNPJ sob nº 01.149.953/0001-89, com endereço na Avenida das Nações Unidas, nº 14.171, Torre A, 12º andar, Vila Gertrudes, São Paulo/SP, CEP: 04794-000, doravante denominado EMPRESA, neste ato representada por Ana Paula Antunes Tarcia, Diretora de Pessoas e Cultura, inscrita no CPF sob nº 258.084.468-64 e Eduardo Tomazzeto Juc, Gerente Executivo, inscrito no CPF sob nº 336.981.998-82 e, de outro lado, seus EMPREGADOS, devidamente representados pela Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul – FEEB SP/MS, inscrita no CNPJ sob o 62.655.253/0001-50, com sede e foro na cidade de São Paulo (SP), com endereço na Rua Boa Vista, nº 76,10º andar, centro, CEP: 01014-000, por seu Presidente Jeferson Rubens Boava, brasileiro, bancário, portador do RG.13.020.879-6, e CPF. 060.465.478-22, doravante denominado SINDICATO,

CONSIDERANDO QUE:

(i) diante do alto risco de propagação e contágio do COVID-19 (novo corona vírus) houve a instituição do estado de emergência pela Lei 13.979/2020, a fim de serem adotadas medidas de prevenção e proteção às pessoas;

(ii) a EMPRESA, em sintonia com o referido normativo, buscou incentivar o isolamento social, mediante à adoção do trabalho remoto dos seus EMPREGADOS com o consequente fechamento de todos os seus respectivos estabelecimentos de atendimento ao público;

(iii) à exceção da manutenção dos serviços essenciais, definidos no Decreto 10.282/2020, o isolamento social estendeu-se em diversos segmentos industriais, comerciais e de serviço em geral em prol à saúde das pessoas, culminando em uma significativa redução das atividades econômicas e consequentemente dos serviços prestados pelos EMPREGADOS;

2

(iv) ciente das adversidades de mercado, foram editadas as Medidas Provisórias 927/2020 e 936/2020, estabelecendo alternativas para manutenção do emprego e renda dos EMPREGADOS, sem prejudicar as atividades econômicas da EMPRESA durante o estado de calamidade pública;

(v) o SINDICATO e a EMPRESA têm o interesse em formalizar medidas de proteção do emprego e a renda, a fim de garantir a continuidade das atividades laborais e empresariais, fomentando o diálogo social e o privilegiamento das negociações coletivas, em sintonia com a Nota Técnica Conjunta 06/2020 – PGT/CONALIS do Ministério Público do Trabalho;

RESOLVEM firmar o presente Acordo Coletivo de Trabalho para disciplinar os planos emergenciais visando à proteção do emprego, bem como à sustentabilidade das atividades econômicas da EMPRESA, durante e após os impactos imediatos da pandemia causada pela COVID 19, conforme cláusulas a seguir ajustadas:

CLÁUSULA PRIMEIRA – FLEXIBILIZAÇÃO DA JORNADA

A jornada de trabalho e salário dos EMPREGADOS, sujeitos ou não ao controle de jornada, será reduzida pela EMPRESA em 25%, desde que haja prévia comunicação ao EMPREGADO, por meio eletrônico, com antecedência mínima de 48 horas da data do início da redução.

arágrafo Primeiro: A redução de jornada será viabilizada por meio de dias úteis não trabalhados, de forma que o EMPREGADO deixará de trabalhar em 05 (cinco) dias no decorrer do mês, podendo ser dias corridos ou fracionados por semana, desde que combinado com o seu gestor e trabalhado o mês inteiro. No caso de ausência, seja por férias, afastamento, licença, a redução será proporcional aos dias trabalhados.

Parágrafo Segundo: O termo de redução de salário e jornada será comunicado ao EMPREGADO por meio eletrônico com prazo de até 60 (sessenta) dias, podendo ser renovado enquanto perdurar o estado de calamidade pública, se assim permitido for pela legislação então vigente.

Parágrafo Terceiro: A jornada normal de trabalho e o salário serão restabelecidos no prazo de dois dias corridos, contados: (i) da cessação do estado de calamidade pública;

(ii) da data de comunicação da EMPRESA informando o EMPREGADO sobre a sua decisão de antecipar o fim do período de redução pactuado ou (iii) da data estabelecida

3

no acordo coletivo como termo de encerramento do período e redução pactuados; o que ocorrer primeiro.

CLÁUSULA SEGUNDA - BENEFÍCIO EMERGENCIAL DE PRESERVAÇÃO DO EMPREGO E DA RENDA

Caberá a União Federal conceder o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda, nos termos da Medida Provisória 936/2020, sendo este de prestação mensal e devido a partir da data do início da redução da jornada de trabalho e de salário, com pagamento da primeira parcela em até 30 dias contados da data da redução da jornada de trabalho e salário.

Parágrafo Primeiro: A EMPRESA informará ao Ministério da Economia, através da plataforma “empregador web” do Governo, a redução da jornada de trabalho e de salário do contrato de trabalho, no prazo de dez dias, contado da data da celebração do presente acordo.

Parágrafo Segundo: O valor do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda, terá como base de cálculo o valor mensal do seguro-desemprego a que o EMPREGADO teria direito, nos termos do art. 5º da Lei nº 7.998, de 1990 e será calculado aplicando-se sobre a base de cálculo o percentual da redução.

CLÁUSULA TERCEIRA – AJUDA COMPENSATÓRIA MENSAL

Para fins deste acordo, a EMPRESA ficará obrigada em fornecer Ajuda Compensatória Mensal que, somado ao Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda, manterá a mesma remuneração líquida mensal do EMPREGADO, sendo certo que essa verba:

(i) terá natureza indenizatória;

(ii) não integrará a base de cálculo do imposto sobre a renda retido na fonte ou da declaração de ajuste anual do imposto sobre a renda da pessoa física do EMPREGADO;

(iii) não integrará a base de cálculo da contribuição previdenciária e dos demais tributos incidentes sobre a folha de salários;

4

(iv) não integrará a base de cálculo do valor devido ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS, instituído pela Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, e pela Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015;

CLÁUSULA QUARTA – BANCO DE HORAS

Durante o estado de calamidade pública, ficam autorizadas a interrupção das atividades pelo EMPREGADOR e a constituição de regime especial de compensação de jornada, por meio de banco de horas, em favor do EMPREGADOR ou do EMPREGADO, para a compensação no prazo de até dezoito meses, contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.

Parágrafo Primeiro: A compensação de tempo para recuperação do período interrompido poderá ser feita mediante prorrogação de jornada em até duas horas, que não poderá exceder dez horas diárias.

Parágrafo Segundo: As horas que ultrapassarem o limite contratual ordinário, desde que passíveis de serem lançadas em banco de horas, serão compensadas com as horas negativas.

Parágrafo Terceiro: Ocorrendo rescisão contratual, sem justa causa, por iniciativa da EMPRESA, eventual saldo devedor de horas (horas negativas) não poderá ser descontado dos haveres do EMPREGADO.

Parágrafo Quarto: O saldo negativo do banco de horas poderá ser compensado, a pedido do empregado, em horas equivalentes a até 10 dias das férias.

Parágrafo Quinto: O EMPREGADOR compromete-se a informar os EMPREGADOS da prorrogação do prazo do banco de horas durante o estado de calamidade pública, por meio de comunicação eletrônica.

Parágrafo Sexto: Havendo saldo negativo no banco de horas, por todo o período previsto de duração do banco de horas emergencial, o empregado deverá realizar as horas compensatórias sempre que instado pelo empregador, dentro dos limites e condições estabelecidos nos parágrafos segundo e terceiro.

CLÁUSULA QUINTA - GARANTIAS PROVISÓRIAS

5

A EMPRESA reconhece a garantia provisória no emprego ao EMPREGADO que receber o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda, nos seguintes termos:

(i) durante o período acordado de redução da jornada de trabalho e de salário; e

(ii) após o restabelecimento da jornada de trabalho e de salário, por período equivalente ao acordado para a redução.

Parágrafo Primeiro: A dispensa sem justa causa que ocorrer durante o período de garantia provisória no emprego previsto no caput sujeitará a EMPRESA ao pagamento, além das parcelas rescisórias previstas na legislação em vigor, de indenização no valor de: 50% do salário a que o EMPREGADO teria direito no período de garantia provisória no emprego, na hipótese de redução de jornada de trabalho e de salário igual ou superior a 25% e inferior a 50%;

Parágrafo Segundo: A presente cláusula não se aplica às hipóteses de dispensa a pedido ou por justa causa do EMPREGADO.

CLÁUSULA SEXTA - VIGÊNCIA

O presente terá a vigência por 21 (vinte e um) meses a contar da data de assinatura pelas partes, enquanto perdurar o estado de calamidade pública e o processo de compensação das horas no banco de horas de 18 meses.

Por estarem justas e acordadas, as partes firmam o presente termo em 02 (duas) vias de igual teor, para que produza seus legais efeitos.

São Paulo, 23 de abril de 2020.

BV FINANCEIRA S/A – C.F.I.

FEDERAÇÃO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS

DOS ESTADOS DE SÃO PAULO E MATO GROSSO DO SUL- FEEB SP/MS

Seguir:

Endereço

Telefone

(15) 3229.2990

Sugestões, dúvidas ou reclamações?

Preencha o formulário abaixo