top of page

Desemprego cai para 11,2% em novembro, com recorde de trabalhadores por conta própria


Ainda assim, 11,9 milhões de pessoas continuam sem ocupação, segundo o IBGE

O desemprego segue recuando no país, ao mesmo tempo que o número de trabalhadores por conta própria atingiu novo recorde.

Do trimestre encerrado em agosto para o trimestre setembro-outubro-novembro, a taxa de desemprego caiu de 11,8% para 11,2%. A estimativa dos analistas consultados pela agência Bloomberg era uma taxa de 11,4%. Há um ano, a taxa era de 11,6%.

Os números da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) foram divulgados nesta sexta-feira (27) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Ainda assim, 11,9 milhões de pessoas continuam sem ocupação. O número indica queda de 5,6% em relação ao trimestre anterior, maior recuo na comparação trimestral desde 2013. Em comparação ao mesmo período do ano passado, a redução foi de 2,5%.

Já o número de trabalhadores por conta própria chegou a 24,6 milhões e cresceu 1,2% frente ao trimestre anterior e 3,6% em relação ao mesmo período de 2018. É o maior número desde janeiro de 2012, início da série histórica.

O número de empregados com carteira assinada chegou a 33,4 milhões e cresceu 1,1% em relação ao trimestre anterior (378 mil pessoas) e 1,6% em comparação com o ano passado. Das 378.000 pessoas que tiveram a carteira assinada no último trimestre, 240.000 trabalham no comércio. Existe a possibilidade de que esse aumento no comércio esteja ligado a contratações temporárias de fim de ano.

A população ocupada também bateu recorde, atingindo 94,4 milhões. Houve um aumento de 0,8% em relação ao trimestre anterior e 1,6% em relação ao mesmo período de 2018.

No trimestre, o crescimento da população ocupada foi puxado pela construção, comércio e serviços de alojamento e alimentação. O aumento de trabalhadores no setor da construção, formais ou informais, foi de 2,7% em comparação ao trimestre anterior.

No ano, o aumento da população ocupada foi por conta, principalmente, da indústria (2,7%) e do setor de transporte, armazenagem e correio (5,3%). A agricultura foi o único setor que não contribuiu para a expansão da ocupação, com uma queda de 1,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

A população ocupada informal expandiu 0,2% em relação ao trimestre anterior, com a entrada de 71 mil pessoas na informalidade. Ao mesmo tempo, também na comparação trimestral, 785.000 pessoas conseguiram um emprego, formal ou informal.

Folha de SP

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page