Mercantil altera abastecimento de numerário e Sindicato exige garantia dos empregos


O Sindicato dos Bancários de BH e Região se reuniu com o Mercantil do Brasil, nesta terça-feira, 18, na sede do banco em Belo Horizonte, para exigir garantia dos empregos diante do novo processo de abastecimento de numerário nas dependências de autoatendimento. O abastecimento deixará de ser uma das atribuições do supervisor de Agência e será efetuado por empresa especializada em abastecimento bancário.

O anúncio do novo modelo de abastecimento pelo Mercantil deixou apreensivos centenas de trabalhadores bancários, que temem pelo crescimento no número de demissões que o novo sistema poderá acarretar.

Ao Sindicato, o Mercantil explicou que o novo modelo de abastecimento vem ao encontro de uma nova política de segurança bancária dentro de suas agências e garantiu que a nova dinâmica não acarretará demissões de trabalhadores, principalmente no caso dos supervisores, que já possuem diversas outras atribuições dentro das agências.

O Sindicato também solicitou ao banco a adesão, espontânea, da cláusula 54 da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) 2018/2020, que prevê a requalificação e realocação de empregados, com o objetivo de aprimoramento técnico em caso de situações específicas decorrentes de reestruturações organizacionais. Entre elas, o encerramento de atividades, encerramento de locais, mudanças tecnológicas ou mudanças nas atividades que redundem em obsolescência do conhecimento dos empregados em atividades nessas áreas, para novas funções. O representante do banco assumiu a responsabilidade de levar a discussão à direção da empresa.

Na reunião desta terça, os trabalhadores foram representados pelos funcionários do Mercantil do Brasil e diretores do Sindicato, Marco Aurélio Alves e Vanderci Antônio da Silva. Já o banco foi representado pelo superintendente de Recursos Humanos, Márcio Geraldo Ferreira.

Para Marco Aurélio Alves, o novo modelo de abastecimento vem ao encontro de várias reivindicações dos trabalhadores por mais segurança no Mercantil. “O fim do abastecimento pela parte frontal dos equipamentos de autoatendimento no Mercantil do Brasil foi uma das importantes vitórias que o Sindicato obteve no Ministério Público do Trabalho. O novo modelo nada mais é do que um complemento às nossas conquistas. O que não podemos admitir é que se vislumbre desligamentos e demissões de trabalhadores nesse novo processo. Por isso, o Sindicato exige a garantia de emprego por parte do banco”, ressaltou.

Já para Vanderci Antônio da Silva, o banco tem a obrigação de garantir empregabilidade a todos seus funcionários e segurança bancária aos seus clientes e bancários, em especial nas agências que possuem alto fluxo de movimentação de numerário em dias de pagamento de aposentados do INSS. “Não questionamos o novo modelo de abastecimento, pois o Sindicato sempre esteve à frente em relação à segurança dos bancários e da população em geral. Fomos à reunião para exigir do Mercantil do Brasil medidas que garantam a empregabilidade dos trabalhadores envolvidos”, afirmou.

Programa próprio de participação nos lucros e resultados 2019

Na reunião, o Mercantil do Brasil aproveitou a oportunidade e também apresentou nova proposta do programa próprio de participação nos lucros e resultados 2019.

O Sindicato protocolou o documento e já enviou a proposta para ser analisada pelo Dieese e pelo Departamento Jurídico do Sindicato. Em breve, serão retomadas as negociações para a construção de um acordo entre os trabalhadores e o banco sobre o programa do próximo ano.

Fonte: SEEB BH

#mercantil

0 comentário