• Sindicato dos Bancários

Greve de caminhoneiros entra no 2º dia e 12 estados têm protestos


Caminhoneiros voltaram a bloquear rodovias do país ou a provocar lentidão no trânsito desde a madrugada desta terça-feira (22), no segundo dia de paralisação contra a política de reajustes do óleo diesel.

Ao menos 12 estados já registram manifestações, entre eles São Paulo, onde o trânsito está lento na rodovia Dutra, em Jacareí.

Também há atos em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Paraíba, Santa Catarina, Goiás, Bahia e Tocantins nesta terça.

Assim como no primeiro dia, Minas é o estado com mais pontos de protesto. Dos 15 desta segunda, o total subiu para 20, nesta terça. Entre as rodovias atingidas está a Fernão Dias.

No Rio de Janeiro, há um trecho da Dutra interditado no sentido São Paulo-Rio desde a noite desta segunda. No sentido Rio-SP, há caminhões parados no acostamento. Também há manifestação na BR-101.

Goiás apresenta sete pontos de manifestação, que atinge cidades como Aparecida de Goiânia, Catalão, Rio Verde e Jataí. No Paraná, o tráfego está interrompido para caminhões no km 339 da BR-277. No Espírito Santo, a BR-101 tem ao menos três pontos de lentidão, em Cachoeiro do Itapemirim, Ibatiba e Viana.

A greve é organizada pela Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros), que representa motoristas autônomos –a paralisação não envolve veículos fretados.

Os caminhoneiros pedem mudanças na política de reajuste dos combustíveis da Petrobras, com a redução da carga tributária para o diesel. Além disso, querem isenção da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico).

De acordo com a CNTA (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos), foram registrados 188 pontos de paralisação no país na segunda, sendo 7 no Norte, 38 no Centro-Oeste, 27 no Nordeste, 55 no Sul e 61, no Sudeste.

Na maioria dos estados, os caminhoneiros desencadearam a operação tartaruga, o que deixou o tráfego lento. Em outros locais, houve interdições totais ou parciais e queima de pneus.

Fonte: Folha.com

#sindnews

Seguir:

9 9784-7687

Endereço

Telefone

(15) 3229.2990

Sugestões, dúvidas ou reclamações?

Preencha o formulário abaixo