• Sindicato dos Bancários

Visando privatização, Eletrobras pagou R$ 1,8 mi para manchar própria imagem


A Eletrobras gastou R$ 1,8 milhão em estratégias de mobilização da opinião pública para conquistar apoio para a privatização da empresa. Em 27 de setembro de 2017, a estatal contratou a RP Brasil Comunicações, do grupo FSB Comunicação, maior assessoria de imprensa do país.

A ideia era traçar estratégias de divulgação de informações que mostrassem 1 cenário de problemas e mazelas da própria estatal.

Apesar da assinatura em 27 de setembro, o contrato com a RP Brasil Comunicações só foi publicado no Diário Oficial da União quase 1 mês depois, em 17 de outubro.

A informação foi divulgada nesta 3ª feira (24.abr.2018) pela Agência Sportlight de Jornalismo Investigativo, que conseguiu acesso ao contrato via Lei de Acesso à Informação.

No objeto do contrato consta que o serviço prestado pela empresa de comunicação seria o de “assessorar a Eletrobras na comunicação relativa ao projeto de acionista majoritário de desestatização da empresa”.

O valor de R$ 1,8 milhão, foi dividido entre R$ 1,574 milhão para elaboração e execução do objeto, dividido ainda em vários itens, e R$ 226 mil para despesas comprovadas com a execução. Leia abaixo:

Os serviços da RP Brasil Comunicações se concentraram em divulgar notas para pautar a mídia, fundamentar opiniões de comentaristas econômicos e formadores de opinião pública. A ideia era reforçar a urgência da privatização, prioridade do governo do presidente Michel Temer.

Entre os serviços, somente a mobilização de influenciadores custou à empresa R$ 170 mil. Também há uma sondagem da opinião pública a respeito da desestatização com o custo de R$ 120 mil. Os resultados da pesquisa não foram divulgados, mas foram utilizados para orientar a empresa e subsidiar as estratégias.

No contrato ainda foi estabelecido que os pagamentos só seriam feitos após a “entrega dos relatórios mensais elaborados pela contratada correspondentes à consolidação dos resultados alcançados”.

A estatal negou a tentativa de manchar a própria imagem e afirma que no contrato está ressaltada a necessidade de se “preservar a imagem positiva da empresa”. No entanto, afirmou que reconhece os dados negativos como prejuízos financeiros ou dívida bruta superior a R$ 45 bilhões.

Contratação sem licitação

A Eletrobras fez uma “tomada de preços” com outras duas empresas para verificar o patamar do preço final e fazer a licitação do contrato do serviço. Além da RP Brasil Comunicações, apresentaram orçamentos a CDN (Companhia de Notícias) e a Informe Comunicação.

Por fim, a RP ficou em 2º lugar em menor custo financeiro, atrás da Informe Comunicação. No entanto, a Eletrobras, resolveu escolher a vencedora pela lei de “inexigibilidade de licitação”. Dispensou a concorrência e promoveu uma contratação direta.

A inexigibilidade concede o direito ao contratante de escolha do fornecedor caso existam razões que justifiquem a dispensa de licitação. A Eletrobras afirmou que houve a necessidade do contrato se dar por meio da inexigibilidade “em face da sua complexidade e singularidade, bem como confidencialidade, por envolver informações estratégicas da empresa”.

Fonte: Poder360

#sindnews

Seguir:

9 9784-7687

Endereço

Telefone

(15) 3229.2990

Sugestões, dúvidas ou reclamações?

Preencha o formulário abaixo