Negociação para reajuste de servidor não avança


A expectativa de reajuste no salário dos cerca de 12 mil servidores da Prefeitura de Sorocaba levantada na Câmara na quinta-feira (7) foi frustrada. A reunião que ocorreu ontem e que poderia tratar do assunto teve como pauta somente a questão do abano emergencial, que pode ser pago no dia 29 de dezembro. Para dar andamento à questão do reajuste, um novo encontro está agendado para 20 de dezembro. A data informada pelo presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sorocaba, Salatiel Hergesel, foi confirmada pela Secretaria de Comunicação e Eventos (Secom). Salatiel argumentou que ouviu na reunião de ontem, de membros do Executivo que não houve acordo com o prefeito José Crespo (DEM) no sentido do reajuste de 6,29%. O presidente do Sindicato criticou a postura de alguns vereadores, que durante a sessão da última quinta-feira, defenderam o adiamento da votação com base no argumento de que a Prefeitura pretendia estender aos servidores do Executivo o mesmo reajuste aprovado aos funcionários do Legislativo, de 6,29%. "Eles levantaram a suposição de que havia essa proposta de reajuste, que estava praticamente certo. Mas a Prefeitura não confirmou. Não tínhamos nenhuma proposta oficial e continuamos não tendo", reclamou Hergesel. A expectativa Ainda na Câmara, durante entrevista ao jornal Z Norte, Irineu de Toledo (PRB), líder do governo, afirmou que a reunião de ontem (8) seria para resolver a questão em torno dos 6,29%. Toledo chegou a afirmar que o encontro definiria como as coisas caminhariam, caso o Sindicato aceitasse a proposta de 6,29% de reajuste não retroativo. "Então, há uma intenção do prefeito em conceder os 6,29%", disse o vereador. Irineu só não soube dizer se o índice de 6,29% era com o sem o abano emergencial. O vereador José Francisco Martinez (PSDB) foi um dos parlamentares que tratou do assunto durante a sessão e confirmou que, em conversa com o prefeito José Crespo (DEM) e secretários municipais, defendeu que a reposição da inflação fosse estendida aos servidores do Paço -- e a proposta teria sido bem recebida. Ele se mostrou surpreso com a não confirmação da concessão ne reunião de ontem. "Só tentei ajudar para que houvesse a reposição." A Prefeitura confirmou que a reunião não teve o objetivo de tratar de reajuste salarial -- mas sim para discutir o bônus "já autorizado pelo prefeito". Em nota enviada após o fim da mesa de negociação, o Sindicato pede aos servidores para que "comecem a se organizar em seus locais de trabalho para medidas mais drásticas, se assim for necessário, como forma de pressão ao governo". "Temos que ir à exaustão no diálogo. Porém, não posso ficar de braços cruzados. Tenho que movimentar a categoria", afirmou Salatiel. Abono emergencial Os servidores públicos municipais devem receber um abono emergencial no próximo dia 29 de dezembro. A data foi acertada na reunião de ontem entre os secretários Mário Bastos, de Recursos Humanos, e Alexandre Robin, de Governo, e o sindicato da categoria. Entretanto, a medida ainda depende da aprovação, em 2ª discussão, do projeto de lei 289/2017, do Executivo, por meio do qual a Câmara Municipal precisa aprovar o pagamento. "Para o governo Crespo isso está muito certo", diz Salatiel Hergesel. O abono aos servidores prevê o pagamento de parcela única de bonificação aos funcionários de acordo com suas respectivas faixas salariais: R$ 750 para quem recebe até R$ 2 mil por mês, R$ 650 para os que ganham de R$ 2 mil a R$ 3,5 mil, R$ 550 para funcionários com salários entre R$ 3,5 mil e R$ 5 mil e para rendimentos acima desse valor, uma bonificação de R$ 450.

Fonte: Cruzeiro do Sul

#sindnews

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo