Goiano de 20 anos é mais jovem diretor de instituição financeira


Esqueça o terno alinhado, o cartão de visitas, o carrão do ano e os chavões corporativos.

O goiano Jonathan Lima, 20, mais jovem diretor de uma instituição financeira do Brasil reconhecido pelo Banco Central, tem o rosto tomado por acnes, só anda de Uber, usa tênis surrados e fala a língua do mundo virtual.

Mais importante no perfil do garoto prodígio, porém, é que ele é responsável pela movimentação anual de R$ 1 bilhão em transações de seus clientes na Pagar.me, empresa de pagamentos on-line, da qual também é sócio.

Embora desde os sete anos de idade viaje com desenvoltura de gênio pelo universo virtual, principalmente nos códigos que dão vida a jogos eletrônicos, Jonathan saiu de Anápolis (GO), sua cidade natal, pela primeira vez, aos 16, quando veio para São Paulo de mala e cuia já para trabalhar no setor de tecnologia da empresa financeira.

"Amo tecnologia e quero criar coisas que possam melhorar a vida das pessoas, não necessariamente mudar a humanidade, mas fazer algo que facilite o dia a dia, que atenda a uma necessidade. E a forma de fazer isso é ter essa vida mais formal, ter título de diretor. Mas me identifico com a minha geração, que é menos ligada a regras e rotinas", diz Jonathan.

Parte da vocação do jovem veio do pai, Edson Marques, 49, analista de sistemas e aficionado por computadores e jogos on-line.

Jonathan, porém, se aprofundou na habilidade por curiosidade e rapidamente aprendeu a programar e a desvendar dispositivos eletrônicos sozinho, nunca fez curso nenhum.

"A minha mãe [Ana Paula Lima, 42] me influenciou a buscar pelos meus desejos, a enfrentar a vida desde muito cedo. Meus pais são separados e acabei morando longos períodos com meus avós."

O espírito de desvendar o mundo cibernético ainda criança custou uma conta telefônica de R$ 500 e o corte da internet em casa. À época, início dos anos 2000, conexões na rede ainda eram feitas por pulsos telefônicos.

"Meu pai ficou um tempo desempregado e não tinha como manter a internet. Foram anos sem poder navegar em casa", afirma.

ESTUDOS

O diretor da companhia que tem clientes como Ambev e Ricardo Eletro afirma que nunca teve de estudar para uma prova, pois tinha facilidade de assimilação dos conteúdos, o que o "liberava" a ficar cada vez mais tempo em frente ao computador.

"Não tirava dez, mas não tinha dificuldades em nada. Meu interesse era mesmo aprender sobre jogos eletrônicos e tecnologia. Isso me fez repetir um ano na escola porque não queria sabe de outra coisa que não o computador e programação."

Foi a repercussão de suas ações no universo digital -ganhou campeonatos mundiais de hackers- que gerou o convite para trabalhar na empresa de pagamentos com sede em São Paulo.

"Comecei trabalhando remotamente, do meu quarto, em Anápolis, aos 12 anos. Só em 2014, vim morar de vez em São Paulo e mudei completamente de vida."

Como era menor, Jonathan pediu emancipação judicial e passou a ser independente.

"Meus pais só aceitariam que eu viesse para São Paulo se concluísse o ensino médio. Como tinha dificuldades de me habituar a uma escola convencional, acabei conhecendo um colégio para pessoas com altas habilidades, em São José dos Campos [SP], onde me preparam para ser uma liderança, usar melhor minhas capacidades."

Ele não revela quanto já ganhou, diz não ter vaidade de consumir produtos ou bens extravagantes -mas tem os dispositivos Apple mais sofisticados e atualizados- e se orgulha de ter tido um breve encontro com Mark Zuckerberg, um dos fundadores do Facebook, e de ter como guru o empresário Jorge Paulo Lemann, a pessoa mais rica do país, com US$ 31 bilhões.

"Ter dinheiro para manter a vida não é mais um problema para mim. Já tenho o suficiente, mas não sou uma pessoa que tenha o objetivo de ter fortunas. Dinheiro é só um caminho que me facilita a conquistar o que realmente quero, como construir algo de muito impacto para as pessoas."

CLIENTES

A Pagar.me foi criada em 2013 por dois jovens na faixa dos 18 anos, Henrique Dubugras e Pedro Franceschi.

Ela logo atraiu atenção de investidores, mais pelas façanhas dos jovens, como a de Franceschi, que fez a Siri (assistente virtual do iPhone) entender português antes de a Apple disponibilizar o idioma, do que pelo negócio construído até ali.

Em 2014, os jovens receberam R$ 1 milhão da Grid Investiments e da Arpex Capital. Eles deixaram o comando da companhia e atualmente se dedicam a estudos nos EUA.

Empresas como a Pagar.me funcionam como intermediárias entre os empreendedores e lojas virtuais e as grandes empresas de pagamento (como Cielo e Rede), que possuem a maioria das máquinas para pagamento em lojas físicas.

Ela tem 210 funcionários e 3.800 clientes, alguns deles de grande porte, como Magazine Luiza e Ambev.

Fonte: Folha de SP

#sindnews

Posts recentes

Ver tudo

Seguir:

Endereço

Telefone

(15) 3229.2990

Sugestões, dúvidas ou reclamações?

Preencha o formulário abaixo