• Sindicato dos Bancários

Basa terá que pagar 7ª e 8ª horas a substituídos


A ação foi criada pelos bancários contratados como ‘escriturários’ - para trabalharem seis horas por dia – mas que exercerem função de supervisor

O Banco da Amazônia, por meio de uma ação coletiva impetrada pelo Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia (SEEB-RO), foi condenado a pagar aos substituídos exercentes da função de ‘supervisor’, como extraordinárias, a sétima e oitava horas trabalhadas, vencidas e vincendas, desde o período de 10 de dezembro de 2010.

A ação do Sindicato foi criada para amparar os bancários que foram contratados como ‘escriturários’ - para trabalharem seis horas por dia (Artigo 224 da CLT) - mas que, a pretexto de exercerem função comissionada de ‘supervisor’, foram obrigados a trabalhar oito horas diárias, como se estivessem enquadrados nos chamados ‘cargos de confiança’.

Ocorre que a função de ‘supervisor’ não é um cargo de confiança, pois para isso teria que ser um cargo de chefia, com poder de mando, mandato, assinatura autorizada, a liberação de anotação de ponto e a existência de subordinados, a exemplo dos cargos de direção, gerência, fiscalização e equivalentes, todos estes com ganho de gratificação superior a um terço do salário de seus respectivos cargos.

Este foi o entendimento de Jose Roberto da Silva e Jose Geraldo da Fonseca, Juízes do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região, de que os empregados classificados como ‘supervisor’ não exercem função de confiança nos moldes preconizados no parágrafo 2º do artigo 224 da CLT, logo, não poderiam ter suas jornadas de trabalho estendidas de seis para oito horas.

“Sendo assim, julgo procedente o pleito exordial para condenar a empresa a pagar ao exercente da função de ‘Supervisor’, como extraordinárias, a sétima e oitava horas trabalhadas, vencidas e vincendas, a serem calculadas sobre as parcelas salariais, segundo sua evolução, os dias efetivamente trabalhados, assim como a refletir a extras nas parcelas contratuais (Descanso Semanal Remunerado, gratificação natalina, férias com 1/3 e FGTS). Aos empregados já demitidos, os valores também deverão refletir no aviso prévio e na multa de 40% sobre o FGTS”, determina a sentença.

A ação foi conduzida pela advogada Karoline Costa Monteiro, do Escritório Fonseca & Assis Advogados Associados, que presta suporte jurídico ao Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia.

Fonte: SEEB-RO

#sindnews

Seguir:

9 9784-7687

Endereço

Telefone

(15) 3229.2990

Sugestões, dúvidas ou reclamações?

Preencha o formulário abaixo