Indústria de pães e massas deve subir preço em cerca de 10%


O preço de pães, biscoitos, massas e bolos deve voltar a subir neste ano.

A alta estimada pela Abimapi (associação do setor) é de 10%, valor que pode variar de acordo com oscilações de câmbio e outros custos das indústrias, como energia elétrica e mão de obra.

Ao longo do ano passado, o reajuste foi, em média, de 12%, afirma Claudio Zanão, presidente da entidade.

"A reposição dos custos não vai parar, a alta do dólar trouxe um impacto grande. Hoje, metade da farinha de trigo é importada, e os gastos com energia e combustíveis também aumentaram."

A farinha de trigo representa entre 60% e 70% da composição de macarrão e pães, e cerca de 35% dos biscoitos.

O aumento não recai diretamente sobre o consumidor final, mas, sim, sobre os varejistas, destaca Zanão.

O reajuste de preços em 2015 garantiu faturamento 5,47% maior às indústrias em relação ao ano anterior, mesmo com as vendas estáveis.

O resultado ficou abaixo da inflação, de 10,67%, mas foi comemorado pelo setor. "A situação se complicou no último trimestre, as festas de fim de ano não deram o retorno esperado."

O único segmento com resultado positivo em volume de vendas foi o de biscoitos.

"No Brasil, temos uma diversidade enorme. O comprador pode até não comer sua marca favorita, ou escolher embalagens menores, mas não deixa de consumir."

A expectativa para 2016 é que o volume de vendas se mantenha e que as receitas tenham alta de 4%.

*

BISCOITO OU BOLACHA?

A fabricante carioca de biscoitos e massas Piraquê vai começar a exportar seus produtos neste semestre, para países da América do Sul e Estados Unidos.

A empresa também vai investir na expansão da marca fora do Rio de Janeiro.

Neste ano, ela vai aportar cerca de R$ 21 milhões em comunicação para ganhar mercado, principalmente em São Paulo, afirma o diretor Alexandre Colombo.

Mauro Pimentel/Folhapress

O diretor da empresa carioca, Alexandre Colombo

O projeto de ampliação da marca coincide com o fim das obras na fábrica da empresa, que custaram cerca de R$ 200 milhões, financiados pelo BNDES.

O novo centro deverá aumentar a produção em 30%.

Em 2015, a empresa teve crescimento em torno de 6,5% e, neste ano, espera atingir a casa dos dois dígitos -fora do Rio, a alta projetada fica entre 15% e 20%.

R$ 850 milhões foi o faturamento da Piraquê no ano passado

*

FUNDO ADQUIRE 25% DAS AÇÕES DA SORVETERIA BACIO DI LATTE

O fundo TMG Capital adquiriu 25% do controle da rede de sorveterias Bacio di Latte. O valor investido foi de R$ 25 milhões -o desembolso de recursos e a transferência das ações já aconteceram.

O montante deve ser usado em uma expansão da empresa nos próximos três anos, diz Edoardo Tonolli, diretor-executivo e um dos sócios fundadores da sorveteria.

Karime Xavier/Folhapress

Edoardo Tonolli, diretor-executivo e um dos sócios fundadores da sorveteria

"Nós não estávamos procurando investidores, mas bateram na porta quando começamos a pensar nisso."

Há possibilidade de novos aportes, mas a ideia é preservar a maioria das ações nas mãos dos fundadores, afirma.

Com a exceção de um diretor financeiro, a equipe que gerencia a sorveteria hoje não vai mudar, diz Luiz Francisco Novelli Viana, sócio presidente do TMG Capital.

Durante as conversas entre as partes, a economia se deteriorou, mas a oferta se manteve. "Não chegamos na mesa de negociação e dissemos 'o mundo ficou difícil e temos que mudar'."

32 lojas a rede tem hoje. O projeto é chegar a cem em três anos

R$ 100 milhões foi o valor da empresa usado como parâmetro na transação

*

REDENÇÃO NATUREBA

A categoria de comidas naturais e produtos orgânicos é uma das poucas que devem crescer, mesmo com uma redução do consumo das famílias, aponta uma pesquisa da consultoria BCG.

"Trata-se de uma tendência não relacionada ao ambiente econômico. São luxos que os consumidores se permitem e pelos quais pagam mais", afirma Eduardo Leone, sócio da empresa.

No geral, a intenção de consumo das famílias brasileiras tem o seu pior índice em dez anos. Pela pesquisa, 72% dos entrevistados pretendem cortar gastos, e 54% vão pedir empréstimos para cobrir despesas de rotina.

"É um pico histórico de deterioração e pessimismo."

*

Em casa A rede de 150 franquias de cursos profissionalizantes Cebrac vai abrir 14 escolas no seu Estado natal, o Paraná. "É território conhecido", diz o presidente Wilson Giustino.

Tudo igual Metade dos executivos acha que suas empresas ficarão estagnadas neste ano, segundo pesquisa da Talenses. Outros 30% acham que 2016 será melhor e, 20%, pior.

Fonte: Folha de SP

#sindnews

0 comentário