Reunião com o Banco Itaú na Federação dos Bancários em Curitiba


Aconteceu na tarde de sexta-feira (11/12) na sede da Federação dos Bancários do Paraná reunião entre o movimento sindical e os representantes do Banco Itaú, representaram o banco Sr Romualdo Garbos do Recursos Humanos - Relações Sindicais e Sr Paulo Roberto Vieira também do setor de Relações Sindicais.

A partir de uma iniciativa da FEEB/PR na pessoa do seu presidente Gladir Basso que também preside o Sindicato dos Bancários de Cascavel a reunião foi convocada emergencialmente diante das inúmeras denúncias que esta Federação vem recebendo com relação a vários problemas, dentre os quais: muitas demissões, pressão psicológica e transferências dentre outros temas.

Participaram da reunião, além de toda a diretoria liberada da FEEB Paraná, o também dirigente da FEEB não liberado, Vander Assis e os dirigentes do Sindicato dos Bancários de Ponta Grossa, Julio Marenda, Marcos Aurélio de Souza, José Mário Pirolo Junior e Osmar Javorski.

Abrindo a reunião, o Presidente da Federação, Gladir Basso apresentou todos os problemas aos representantes do Banco Itaú enfatizando que o movimento sindical está muito preocupado principalmente diante das inúmeras demissões.

Sr Romualdo relatou aos presentes que os desligamentos que estão acontecendo seriam fruto de um represamento de demissões que não aconteceram durante a Campanha Salarial e que isso aconteceu agora agravado pelo tempo que durou a campanha e também pelas datas limites para processamento da folha de pagamento do banco. Romualdo relatou que em 2014 o Itau desligou aproximadamente 9000 empregados e em 2015 a estimativa é de que, até o final do ano aconteçam aproximadamente 8000 demissões. Entretanto segundo informações dos representantes do banco esse número faz parte do "turn over" médio anual da empresa onde as admissões também foram em número muito próximo.

Outro tema, mas que foi vinculado às demissões foi quanto ao projeto de expansão do banco digital pelo Itaú, segundo Romualdo, o banco digital não está causando demissões, que trata-se ainda de um projeto que requer muito acompanhamento. Que hoje somente existe em quatro locais em SP e um no RJ. O presidente da FEEB Gladir Basso deixou claras as preocupações do movimento sindical quanto a isso e enfatizou que o banco fez uso dos dias de greve inclusive para ampliar os testes do banco digital, mais uma vez exercendo pressão sobre os empregados neste período.

Segundo os representantes do Itaú as demissões, rotuladas como "represadas" já acabaram e a partir de agora, outros desligamentos que aconteçam serão somente casos inevitáveis.

Outro tema que foi abordado foram as revistas que vem acontecendo e que frequentemente constrangem os empregados. Os representantes do banco informaram que se trata do projeto "saída segura", que não seria uma simples "revista", mas sim de um procedimento de segurança, onde a orientação seria que volumes "acima do normal" seria vistoriados, que procedimentos diferentes disso seriam alheios às recomendações da direção do banco. Ainda segundo os gestores do banco, o maior objetivo da "saída segura" é criar um obstáculo à ações mal intencionadas, principalmente contra casos de sequestros, onde o banco quer que a informação de que não há como retirar volumes seja levada para fora.

Também foi cobrado dos representantes do banco pelo Presidente da Federação Gladir Basso quanto os inúmeros casos onde o empregado registra seu ponto de saída às 18h, por exemplo, e é obrigado a participar de reuniões de cobranças de produtividade depois desse horário. Romualdo, respondendo pelo banco, informou que existe uma regra dentro do banco para que isso não aconteça. Que o Itaú possui canais de informação anônima onde o funcionário que é obrigado a fazer isso deveria denunciar seu gestor. Que o banco tem como diretriz respeitar os acordos de ponto eletrônico. Gladir repassou algumas denúncias de casos onde isso vem acontecendo nas bases de Cascavel e Maringá. Sobre estes casos o Banco Itaú relatou que vai apurar e dará um retorno em breve.

Outro tema debatido foi o acesso pelos dirigentes ao portal de RH do banco, ficou constatado que o mesmo não funciona adequadamente mas os representantes do banco informaram que repassarão as reivindicações ao setor competente no banco para solução dos problemas e acesso à todos em breve.

Sobre o tema transferências, também bastante preocupante, o Sr Romualdo Garbos relatou que existem muitos vícios e distorções sobre o assunto, que há inclusive muitos conflitos relativos à empregados sindicalizados que são transferidos para diferentes "bases sindicais", mas que o acompanhamento de tudo isso se trata de um trabalho rotulado de "artesanal" pelo gestor do banco, pois o acompanhamento tem que ser praticamente caso a caso. Ainda sobre o tema os representantes do banco disseram que o banco procura acompanhar estes casos sempre com foco em economia e necessidade, mas que acontecem casos isolados de má gestão que requerem denúncia ao banco. Sr Romualdo se comprometeu em acompanhar todas as denúncias que cheguem até ele.

Ao final, Gladir Basso, em nome da Federação dos Bancários do Paraná e todos os seus Sindicatos Filiados protocolizou um ofício aos representantes do Banco Itaú reiterando todas as preocupações e principalmente reivindicações do movimento sindical. Basso também reforçou que tanto a Federação quanto seus sindicatos continuarão acompanhando todas as denúncias e cobrando do banco providências, os representantes do Itaú se comprometeram em dar retorno breve à tudo que foi apresentado com agendamento de nova reunião para reavaliação de todos os temas.

Fonte: FEEB PR

#itaú

0 comentário