Dólar segue tendência internacional e fecha em alta, a R$ 3,8046


O cenário internacional desfavorável e as incertezas no campo político brasileiro deram o tom dos negócios nos mercados de câmbio nesta terça-feira (8/12). Com dados negativos da economia da China e queda dos preços das commodities, o dólar avançou diante de diversas moedas, influenciando também o desempenho frente ao real. No mercado à vista, a moeda fechou em alta de 1,08%, cotada a R$ 3,8046.

A expectativa em torno de votações importantes na Câmara também concentrou as atenções. Para acrescentar mais incerteza no já complexo cenário político, a "carta-desabafo" do vice Michel Temer (PMDB-SP) à presidente Dilma Rousseff foi um dos assuntos mais comentados do dia. Embora alguns correligionários de Temer tenham negado que a carta tenha sido uma sinalização de rompimento com o governo, essa foi a leitura majoritária no mercado.

O dólar chegou a exibir queda no início dos negócios, em reação à carta de Temer, que em tese reforçaria as apostas no impeachment. Os sinais negativos do exterior, no entanto, levaram a moeda americana a ganhar força diante da maioria das moedas pelo mundo, especialmente aquelas de países exportadores de commodities.

Dados negativos da China indicaram desaceleração da economia local, o que espalhou pessimismo pelos mercados. As exportações chinesas tiveram queda anual de 6,8% em novembro ante outubro, enquanto a previsão era de recuo de 5,3%. Já as importações recuaram 8,7% na mesma base de comparação, abaixo da previsão (-11,8%), mas ainda uma queda expressiva.

Após o minério de ferro cair abaixo de US$ 40 na sexta-feira, diversas mineradoras anunciaram hoje planos de reestruturação. A Anglo American anunciou corte de 85 mil empregos, venda de ativos, grandes reduções de custos e a suspensão no pagamento de dividendos, em uma tentativa para enfrentar a forte queda nos preços das commodities. No mercado futuro, o dólar para liquidação em janeiro tinha alta de 0,72% às 17h55, cotado a R$ 3,825.

Fonte: Correio Braziliense

#sindnews

0 comentário