Itaú demite, faz transferências indiscriminadas, assédio moral e pressiona por demissões


O clima é tenso, de medo e de pressão psicológica dentro do Itaú. Além das demissões que vêm ocorrendo em todo País dentro do referido banco, a Federação dos Bancários do Paraná e Sindicatos filiados, vem recebendo denúncias que mostram o clima infernal que domina o ambiente de trabalho no Itaú. Entre os problemas denunciados, estão transferências indiscriminadas, pressão por demissões de funcionários mais antigos e assédio moral.

Reclamações que chegaram a Federação e Sindicatos filiados relatam que funcionários do Itaú estão passando por uma gestão de medo, pois são cobrados várias vezes ao dia, por e-mails ou ligações, com ameaças de demissões e transferências de cidades, além do fato de funcionários que trabalham fora não terem autorização de reembolso de despesas.

Ainda de acordo com essas queixas, gerências regionais do Banco realizam reuniões decobranças, pessoalmente ou por telefone, até mesmo pelo celular particular e fora do horário do expediente bancário, cobrando produção de todos os produtos, provocando inclusive constrangimentos. Ocorre ainda reunião de grupos do whatsapp, para fazer cobranças e pedir para que cada funcionário fale sobre sua produção, causando constrangimentos de funcionários que não conseguem produzir a contento das gerências.

Nas reuniões presenciais, gerências regionais cobram a produção de atuação em todo sistema do Banco, como cursos, agenda de atuação, listas de vendas, atuação em relatórios que os funcionários nem sabem tirar.

Ainda segundo os relatos de bancários, mesmo chegando cedo nas agências, a gerência regional exige que os funcionários trabalhem até as 18h, além de fazer reuniões presenciais até as 19h. Além disso, a gerência regional faz visitas próximas ao horário de almoço, causando constrangimento de funcionários que precisam sair para almoçar.

“As cobranças estão muito intensas e não estamos aguentando mais. Muitos colegas estão indo em psiquiatras, tomando remédios controlados para suportar tanta pressão e assédio moral”, diz trecho de denúncia enviada ao Sindicato de Cascavel.

DEMSSÕES E PARALISAÇÃO DE CENTROS ADMINISTRATIVOS Na semana passada, entre quarta e quinta-feira (2 e 3), aproximadamente 160 funcionários da área de Tecnologia da Informação (TI) do banco Itaú, de dois Centros Administrativos de São Paulo, foram demitidos. Os demais bancários do setor tecnológico estão apreensivos.

Diante das demissões ocorridas, dirigentes sindicais e bancários paralisaram, na sexta-feira (4), dois Centros Administrativos, que se localizam na Av. do Estado e na Rua Raposo Tavares. E nesta segunda-feira (7), a paralisação continua nesses Centros Administrativos, contra as demissões.

REUNIÃO O presidente do Sindicato de Cascavel e da Federação dos Bancários do Paraná, Gladir Basso, está gestionando no Itaú para que seja marcada reunião para discutir esse quadro nacional de apreensão e de demissões dentro do Banco.

Fonte: FEEB-PR

#itaú

0 comentário