Investigadores encontram caixa-preta do avião do Bradesco


Investigadores da Aeronáutica encontraram na tarde desta quinta-feira (12) a caixa-preta do avião do Bradesco que caiu em uma fazenda em Minas Geraisna noite de terça-feira (10). No acidente, morreram os dois pilotos e os dois passageiros –Marco Antonio Rossi, 54, presidente da Bradesco Seguros, e Lúcio Flávio de Oliveira, 55, diretor-geral da Bradesco Vida e Previdência.

Segundo a Aeronáutica, foi encontrado o cartão de memória –que contém as conversas na cabine de comando nas últimas duas horas anteriores ao acidente.

Não se sabe ainda, porém, se os dados estão intactos e se poderão ser recuperados. O próximo passo, de acordo com a Aeronáutica, é tentar extrair os dados do gravador a fim de fazer a leitura das informações.

Não há prazo, ainda, para a conclusão do processo.

O equipamento foi levado para a sede do Cenipa (o órgão da Aeronáutica responsável por investigar acidentes aéreos), em Brasília.

A caixa-preta do Cessna Citation VII, prefixo PT-WQH, era equipada apenas com o CVR, sigla em inglês para gravador de voz da cabine.

Esse tipo de avião, um jato executivo de médio porte, não é obrigado a ter o outro gravador –que reproduz o comportamento dos equipamentos durante o voo e é comum em aviões comerciais.

RAZÃO DO SILÊNCIO

Se a gravação de voz for de fato recuperada, será possível saber por qual motivo os pilotos não reportaram pane nem fizeram contato com o controle de tráfego aéreo pouco antes do acidente, algo inusual para a situação.

Havia tempo para isso: em altitude próxima à de cruzeiro, como foi o caso, um avião leva cerca de três a quatro minutos para atingir o solo.

Algumas hipóteses podem explicar o silêncio no rádio –uma pane no rádio, por exemplo, ou a perda de consciência súbita dos pilotos.

Pilotos podem perder a consciência quando expostos a grandes altitudes (hipóxia) em caso de pane no sistema de pressurização ou por descompressão explosiva –uma janela da aeronave que se rompe no ar, por exemplo.

Nesse cenário, o piloto poderia ter desconectado o piloto automático e então perdido a consciência. Há precedentes de acidentes aéreos com hipóxia, mas nesses casos o avião seguiu voando em piloto automático até acabar o combustível.

O histórico do avião também será considerado. A partir da análise das peças, é possível verificar se o motor estava funcionando no momento da queda. A meteorologia também será analisada.

Fonte: Folha de SP

#4 #bradesco

0 comentário