Cartão de crédito sem anuidade e com juro menor tem 'fila de espera'


Um cartão de crédito que não cobra anuidade e oferece taxas de juros menores do que as cobradas no mercado tem atraído cada vez mais brasileiros. Meio milhão de pessoas já utiliza o produto, e outras 250 mil aguardam na fila para garantir o seu. (Anderson Figo e Danielle Brant)

Cobiçado especialmente pelos mais jovens, o Nubank MasterCard Platinum é emitido pela administradora de cartões Nubank –uma start-up criada em 2014 com o objetivo de reduzir custos para os consumidores com a ajuda do smartphone.

Em um mercado em que os juros atingiram 414,3% ao ano no rotativo do cartão, de acordo com dados de setembro do Banco Central, a Nubank cobra taxa máxima de 144,9% ao ano.

E mantendo benefícios da categoria Platinum, como assistência pessoal 24 horas e descontos em cinemas, bares e restaurantes –que geralmente estão acessíveis ao público do varejo alta renda dos bancos.

Isso é possível, diz Cristina Junqueira, diretora e cofundadora da Nubank, porque a empresa tem custo de operação bem menor que os bancos, pois existe unicamente no mundo virtual. Não há, por exemplo, agências físicas. Toda pendência é resolvida pelo aplicativo.

Sem anuidade e outras tarifas, a principal fonte de receita da companhia é uma parcela da taxa obtida nas operações com cartões que é repassada aos emissores. A empresa também lucra com a taxa de juro cobrada no parcelamento de faturas, mesmo que com alíquotas menores.

CRÉDITO O crédito concedido pela Nubank também é fruto de investimentos realizados pelas empresas Sequoia Capital –que tem Apple, Google e YouTube no portfólio– e Kaszek Ventures.

"Não temos um colchão de emergência. Se muita gente 'der calote', falimos. Por isso nossa análise de crédito é conservadora e pode levar até três meses para que um cliente seja aprovado", diz a diretora da Nubank.

Usuário do cartão de crédito há quatro meses, o publicitário Bruno Padovam, 27, procurou o Nubank para fugir da anuidade. "Cancelei três cartões que cobravam mais de R$ 300 cada um em taxas por ano. E eles não eram Platinum", diz Padovam.

A também publicitária Laís Sturaro, 26, foi uma das mais de 40 pessoas indicadas por Padovam para se cadastrar no site do Nubank e solicitar o produto. "O que falta é um programa de pontuação. Há os benefícios da bandeira MasterCard, mas que não são tão amplos quanto os oferecidos por empresas especializadas", diz.

"Se houvesse, pontuaria bastante porque parcelo muitas compras. Mas, em alguns casos, utilizo outros cartões por causa do baixo limite do Nubank." A definição do limite de crédito do cliente é feita com base nas informações de renda fornecidas pelo usuário e na checagem em empresas de informações financeiras, como a Serasa e a Boa Vista SCPC.

O próprio cliente também pode regular seu limite, diminuindo ou aumentando o valor dentro de uma faixa estabelecida pelo Nubank. Tudo via aplicativo.

CUIDADOS Mesmo com juros menores, é preciso evitar o uso indiscriminado do cartão. "É necessário lembrar que o crédito representa um dinheiro que você ainda não tem. É uma dívida", afirma o consultor financeiro Erasmo Vieira.

"Se você vai ao mercado com uma nota de R$ 100, esse é o seu limite para gastar. Se vai com o cartão, poderá comprar mais que isso, mas terá de pagar a conta lá na frente."

O planejador financeiro Valter Police Júnior orienta o consumidor a testar o novo produto antes de se desfazer dos cartões antigos. "Como requer conhecimento de tecnologia, para o uso do aplicativo, as pessoas mais conservadoras podem não se adaptar ao Nubank." Isso se reflete no público que o cartão tem atraído até agora: de acordo com Cristina Junqueira, cerca de 80% dos clientes da Nubank têm menos de 35 anos.

Fonte: Folha.com

#sindnews

0 comentário