Site dá dicas para montar currículo e orienta para entrevistas de emprego


Currículo é a forma aportuguesada da palavra latina curriculum vitae, que significa trajetória de vida. O documento é o primeiro instrumento do processo de seleção e atua como uma carta de apresentação do candidato ao emprego. Por isso é preciso que seja escrito de forma clara e organizada, para facilitar com que o empregador tenha um perfil do candidato e analise se ele serve ou não para exercer a função a que está se propondo. Para aqueles que têm dificuldades em colocar no papel suas qualificações, o site Acessa SP disponibiliza gratuitamente um minicurso sobre o tema e em poucos minutos já é possível elaborar o próprio currículo: http://minicursos.acessasp.sp.gov.br. Há dicas para montar o documento e ainda orientação dos candidatos para dinâmicas de grupo e entrevistas de emprego. De acordo com o site, a boa apresentação do currículo já é um sinal de competência. No endereço também é possível fazer aulas de idiomas, oratória, entre outros temas. Vanessa Bernardo, vice-presidente da Associação de Profissionais em Recursos Humanos (APRH) de Sorocaba, explica que o principal, para começar o currículo, é identificar aquilo que se sabe fazer. A partir daí, fica mais fácil escrever o documento. Todo o currículo deve começar com os dados pessoais: nome completo, idade, endereço, telefone para contato, e-mail e estado civil. O endereço, explica, é importante colocar somente porque algumas empresas fazem seleção por área em que a pessoa reside. "Não é preciso citar o número do RG. O que conta mesmo é o telefone estar atualizado", diz a profissional de RH. Uma novidade dos currículos atuais é colocar a operadora do celular. "Muitos empregadores querem saber porque facilita na hora de ter contato", acrescenta Vanessa. A próxima etapa é expor o objetivo ou área de interesse. Nesse caso, Vanessa diz que não é preciso dizer, necessariamente, o cargo. "Aliás, falar sobre o cargo pode limitar, porque às vezes as empresas têm diferentes nomes para o mesmo cargo. Por exemplo em um local pode ser área de coordenação e em outro pode se chamar gerência", diz. Então no caso de uma profissional de Recursos Humanos, como Vanessa, o ideal seria colocar que o objetivo é gestão, coordenação ou gerência de recursos humanos, sem mencionar o nome do cargo. Em seguida, é possível colocar um resumo do currículo. "Aqui a pessoa pode colocar a sua experiência, aquilo que ela sabe fazer. No caso é possível dizer, de forma descritiva (sem ser em tópicos) todas as funções que já exerceu e por quanto tempo, mas de forma resumida", orienta Vanessa. Depois, seguem qualificação profissional e principais realizações. Aqui sim, pode ser colocado em tópicos. Nesta etapa ainda não devem ser citadas as empresas que a pessoa trabalhou. "No meu caso, por exemplo, eu colocaria gerenciamento de equipe, em uma linha, na linha de baixo gestão de custos, e assim por diante", exemplifica Vanessa. Etapa mais simples Cumprida a fase inicial, o restante fica mais fácil, informa Vanessa Bernardo. Agora basta colocar a formação acadêmica (que são os locais onde a pessoa estudou, com os respectivos cursos e datas). Na sequência vem o item idiomas. Lembrando que sempre tem aqueles "espertinhos" que gostam de dizer que têm inglês intermediário quando ainda estão no básico. Pode funcionar no papel, mas não na hora da entrevista. Depois vem os cursos extracurriculares. Aqui são colocados os cursos feitos que não são diretamente ligados à função que a pessoa está pleiteando, mas que podem ajudar de alguma forma. Somente agora é que vem o histórico profissional, com o nome de todas as empresas, cargos exercidos e datas. Aqui não é preciso descrever sobre as experiências realizadas em cada função, mas se foi promovido no cargo é importante citar. Uma dica é colocar logo após as habilidades pessoais. "Aqui o candidato pode dizer se faz algum trabalho voluntário, se escreve poesias, toca música. Isso porque muitas empresas querem conhecer não só a parte profissional, mas o ser humano que está contratando." Entrevista Vencida a etapa do currículo, vem a parte da distribuição e entrevista. No site Acessa SP, as orientações são procurar agências de empregos, vagas pela internet, mas principalmente a própria rede de contatos do candidato. "Cada vez mais, as vagas disponíveis são preenchidas por pessoas recomendadas por algum funcionário da empresa, por clientes ou por conhecidos. Para as empresas, as recomendações costumam dar bons resultados, já que os funcionários só indicam alguém que eles sabem que vão corresponder ao cargo", lembra o site. Se a pessoa, finalmente, foi chamada para a entrevista, deve então ficar atenta com relação à roupa e ao comportamento. Deve-se vestir algo discreto, mais formal. "Os homens não podem ir de bermuda, nem com tênis e também sem boné. Já as mulheres que puderem evitar a saia também é bom", instrui Vanessa Bernardo. Ainda conforme ela, a pontualidade é muito importante. Por isso orienta o candidato a chegar com 10 minutos de antecedência. O principal problema da entrevista, na opinião de Vanessa, é o nervosismo. "Ficar nervoso é normal. Mas há algumas técnicas para ficar menos nervoso, como por exemplo o candidato não tentar se colocar de uma maneira que não está sendo ele mesmo", diz. Outra atitude é conversar naturalmente, fazendo daquele momento uma oportunidade de conhecer um processo novo, pessoas... "É preciso encarar o entrevistador como alguém que está ali para interagir com você e não achar que é alguém que está ali te julgando, que é alguém superior", afirma Vanessa. Por fim, se o candidato for questionado sobre suas qualidades e os pontos que precisa melhorar, é sempre recomendado dizer a verdade. "Reconhecer onde ele precisa melhorar e dizer que tem trabalhado nisso, que tem conseguido, é um ponto positivo também." Confira algumas dicas: - Para ser eficiente e impressionar bem, o currículo não precisa ser muito extenso. Duas folhas são suficientes. - Seja honesto nas informações. Não invente ou aumente suas qualificações. Omitir informações também é considerado grave. - Dê preferência a substantivos ou a adjetivos (como habilidade, vivência, domínio, experiência, familiaridade) no lugar de verbos (realizei, fiz, conquistei). Não faça auto-elogios. - Só informe o último salário e o salário pretendido se o anúncio solicitar, pois pode ser deselegante e limitar suas chances. Essas questões poderão ser discutidas por ocasião da entrevista. - O currículo não precisa ser assinado. - A apresentação é muito importante. É preferível a utilização do computador. Se por algum motivo tiver de escrever o currículo à mão, a letra deve ser legível e sem rasuras. Porém, é importante você saber que a maioria das empresas dá preferência a currículos escritos por computador. - Não acrescente fotos ou recursos gráficos. A fotografia só deve ser incluída quando for solicitada. - Se for enviado pelo correio, opte por um envelope tamanho ofício, para fazer, no máximo, três dobras horizontais. Enderece com letra legível e sem rasuras, e não esqueça de incluir o remetente. - Para obter sucesso com o envio por e-mail, o currículo deve ser enviado no espaço da mensagem e nunca como anexo. Preferencialmente, use a fonte Courier corpo 12. (Fonte: Acessa SP)

Cruzeiro do Sul

#sindnews

0 comentário